Posts Em Destaque

Projeto "Católicos voltem para casa".

18/08/2017

1/2
Please reload

 

 

“A realidade de Deus é, de fato, tão insondável que jamais poderá ser conhecida em completude nesta vida. Mais se busca Deus, mais se encontra Deus; mais se encontra Deus, mais se ama Deus; mais se ama Deus, mais cresce o desejo de buscá-lo. Encontrar Deus é encontrar a felicidade. Por esta, de fato, se vive e se labuta, porque é encontrar o senso pleno da própria existência.

 

Diz Agostinho: ''fizeste-nos, Senhor, para ti, e nosso coração está inquieto enquanto não repousar em ti'' (Confissões 1,1). A inquietude é movimento de busca, desejo de quietude. Mas como buscar e onde encontrar Deus? Pela via da interioridade, diz Agostinho, mediante a contemplação, diríamos hoje. ''Não saias fora de ti, volta-te a ti mesmo; a verdade habita no homem interior, e, ao dar-te conta de que tua natureza é mutável, transcende a ti mesmo... Busca, então, chegar lá onde a própria lâmpada da razão recebe luz'' (A verdadeira religião 72).

 

A interioridade é, então, um movimento para dentro de si mesmo, não para exercitar o movimento dos próprios pensamentos, mas para ouvir-se, ver-se e, ao se encontrar a própria mutabilidade, sair de si mesmo para ascender à luz de sua razão, aquele que a ilumina e lhe fala na consciência. Parece que Agostinho se dirija exatamente ao homem de hoje, a nós, alienados de nós mesmos, de nossa dignidade, em desordenada busca de nossa identidade, transtornados por tantas coisas que nos circundam e atraem nossa atenção, iludidos em vãs tentativas de preencher o vazio interior, vazio de Deus.” (http://www.osabrasil.org/interioridade_carisma.htm)

 

É certo  que para que alcancemos nossa interioridade é necessário que nos tornemos capazes do silêncio e da contemplação. Os Evangelhos sugerem que Jesus em sua humanidade, justamente naqueles  momentos em que se faziam necessárias escolhas decisivas, se retirava das multidões e de seus próprios seguidores, para orar em silêncio com o Pai e para com Ele viver a sua relação Filial . O silêncio é capaz de abrir caminhos para que Deus habite os  recintos mais recônditos de nosso coração, para que a partir daí, emane a luz que anima as nossas vidas.

 

O Papa Bento XVI falava da importância de se  “Redescobrir a centralidade da Palavra de Deus na vida da Igreja e que para tanto é necessário redescobrir o sentido do recolhimento e da tranquilidade interior. Decerto, a grande tradição patrística ensina-nos que os Mistérios de Cristo estão ligados ao silêncio e só nele é que a Palavra pode encontrar morada em nós. Um coração atento, silencioso e aberto é mais importante que muitas palavras.

 

Santo Agostinho já ensinava :

 

Verbo crescente, verba deficiunt –

«Quando o Verbo de Deus cresce

, as palavras do homem faltam»

(cf. Sermo 288, 5: pl 38, 1307; 

Sermo 120, 2: pl 38, 677). 

 

 

Neste  encontro, realizamos dinâmicas que lembravam a importância do Silêncio e da interioridade.   

 

 

Álbum

 

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags