Buscar
  • Fraternidade Agostiniana Leiga

Sacramento: “Sinal visível da graça invisível” – A eficácia sacramental


A eficácia Sacramental foi objeto de discussão entre Santo Agostinho e os donatistas (1). A controvérsia cingia-se no fato de que os donatistas, consideravam inválidos os sacramentos ministrados por sacerdotes que haviam praticado a apostasia (2) para livrarem-se da perseguição praticada pelo imperador Diocleciano no período de 303 a 305 d.C. Tal posicionamento era contrário ao da Igreja Católica que entendia que os traditores (3) poderiam voltar ao corpo da Igreja e Ministrar os sacramentos desde que o fizessem seguindo a liturgia corretamente. Para tanto, era desnecessário o rebatismo ou a re-ordenação.


Em 311 d.C. os donatistas realizaram um movimento visando impedir a eleição do arcediago (4) Ceciliano como novo bispo de Cartago. Ceciliano era acusado de ter sido um "traditor", uma vez que, havia entregue exemplares das Sagradas Escrituras às autoridades durante uma perseguição que ocorrera recentemente. Os opositores escolheram como novo bispo, Donato de Casa Nigra, dando origem a uma cisma que só chegou ao final no ano 410, após uma série de éditos (5) do imperador Honório.


Santo Agostinho ao definir as bases teológicas dos sacramentos também esclareceu sua natureza e eficácia, demonstrando o erro em que incorriam os Donatistas. Ele ensinava que a validade do batismo independe da condição do ministro, uma vez que o autor do sacramento é o próprio Cristo e não o sacerdote. Agostinho demonstra que há “distinção entre o poder de batizar (“potestas”) que cabe somente a Cristo e o simples ministério batismal (“ministerium”), que a Igreja concedeu por meio dos apóstolos (cf. Tratados sobre o evangelho de São João 5,7) [...].


Se a santidade pessoal do ministro fosse necessária para a validade do sacramento, nunca teríamos a garantia de tê-lo recebido. O ministro da Igreja poderá falhar em sua fé pessoal ou em seu comportamento moral, Cristo porém, nunca falha, por isso os sacramentos possuem uma eficácia objetiva.”


Contudo, não se pode esquecer que também é necessário uma disposição subjetiva (pessoal). A subjetividade religiosa, tanto do ministro como da pessoa que recebe o sacramento, não é a “causa” de sua eficácia e sim a condição necessária para que a graça oferecida por Deus atue. Tal fato, nos leva ao entendimento de que o sacramento pode não conduzir aos frutos esperados, se não ocorrer conforme a intenção da Igreja ou se não houver a disposição devida por parte daquele que pretende recebê-lo.


Em síntese, podemos afirmar que:


  • Os sacramentos são eficazes ao conferir a graça quando os sinais são validamente realizados.


  • A graça sacramental não depende da condição do ministro (que pode falhar em sua fé pessoal ou em seu comportamento moral), porque é resultado da ação de Deus.


  • A graça sacramental não é consequência do mérito daqueles que pretendem recebê-la, mas, a expressão da vontade soberana de Deus.


  • O recebimento da Graça através do sacramento válido, não é automática, depende da disposição e receptividade de quem a busca.


Entendendo a Palavra


1 - Donatismo foi uma seita religiosa cristã considerada herética e cismática pelo catolicismo e que perdurou entre o século IV e VII.


2 - Apostasia significa o abandono e a negação da fé. Ou seja, a negação daquilo que se crê, ou melhor, em que se cria anteriormente. De uma forma bem simples, apostasia na Bíblia é a negação do ensino bíblico e o afastamento das pessoas da vontade de Deus.


3 - Traditores significa "aqueles que entregaram" e é um dos tipos de “lapsi”, termo utilizado no cristianismo primitivo para designar os cristãos que apostataram durante as perseguições.


4 - Arcediago - ecles dignitário eclesiástico que recebe do bispo certos poderes para atuar junto dos párocos


5 - Édito é um anúncio de uma lei, muitas vezes associado à monarquia. O Papa e os líderes de alguns micropaíses são atualmente as únicas pessoas que continuam a emitir éditos.


Referências Bibliográfica:


Caderno de Espiritualidade Agostiniana nº 40, pág. 10 -11 parte IV


Catecismo da Igreja Catolica, 1128, Loyola - 2017


Estudo 3 do Caderno de Espiritualidade Agostiniana – Rámon Sala, OSA, nº 40 - Federação Agostiniana Brasileira (FABRA) - Sacramentos, parte IV - por Fraternidade Agostiniana Leiga - Núcleo Nossa Senhora das Graças.


Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
SOBRE NÓS

Somos Católicos Agostinianos Leigos, integrantes do  Núcleo Nossa Senhora das Graças - Rio de Janeiro - RJ -  Paróquia Nossa Senhora das Graças - Província  Nossa Senhora  da Consolação do Brasil

LOCALIZAÇÃO

Rua Capitão Rubens, 55 - Marechal Hermes  - Rio de Janeiro - RJ – Brasil

CONECTE-SE
  • Grey Instagram Icon

Instagram

Acesse também pelo

seu dispositivo móvel

© 2017 por Fraternidade Agostiniana Leiga - Núcleo Nossa Senhora das Graças - ARS