Deus atende os pobres


69


(68)


1 [Ao maestro do coro. Conforme “Os lírios”. De Davi.]


2 Salva-me, ó Deus, pois a água sobe até o meu pescoço.


3 Estou atolado no lodo profundo, onde não posso ficar de pé; caí nas águas profundas e as
ondas me arrastam.


4 Cansei-me de gritar, minha voz ficou rouca, meus olhos se consomem à espera do meu
Deus.


5 Os que me odeiam sem motivo são mais numerosos que os meus cabelos; são poderosos os
que querem me arruinar, perseguindo-me sem razão; o que não tirei, tenho que restituir?


6 Deus, tu conheces minha loucura, meus pecados não te estão ocultos.


7 Não fiquem confusos por minha causa os que esperam em ti, Senhor, Senhor dos exércitos;
não se envergonhem de mim os que te buscam, Deus de Israel.


8 Pois por tua causa padeci insultos, a ignomínia cobriu-me o rosto.


9 Tornei-me um estranho para meus irmãos, um estrangeiro para os filhos de minha mãe.


10 Pois o zelo por tua casa me devorou, os insultos dos que te insultam caíram sobre mim.


11 Se me mortifico com o jejum, eles zombam de mim.


12 Se me visto com traje de luto, sou alvo de sarcasmo.


13 Falam mal de mim os que se sentam junto à porta e os que bebem vinho fazem canções
sobre mim.


14 Mas minha prece sobe a ti, Senhor, no tempo favorável. Atende-me conforme tua grande
piedade,segundo tua clemência que salva.


15 Tira-me do lodo, para que não afunde, que eu seja livre dos que me odeiam e da água
profunda.


16 Que a correnteza não me arraste, que o pântano não me devore, e o abismo não feche sua
boca sobre mim.


17 Ouve-me, Senhor, pois tua piedade é benigna, conforme tua grande misericórdia olha para
mim.


18 Não escondas de teu servo a tua face, pois estou em perigo, depressa, atende-me.


19 Chega perto de minha alma, defende-a, livra-me por causa dos meus inimigos.


20 Conheces o opróbrio, a confusão e a ignomínia que padeço. Na tua presença estão todos os
que me afligem.


21 A ignomínia oprime meu coração e eu vacilo, esperei em vão quem tivesse pena de mim,
procurei quem me consolasse, mas não encontrei.


22 Como alimento me deram fel, quando tive sede deram-me vinagre.

23 Que a sua mesa seja um laço para eles, e o banquete deles, uma armadilha.


24 Que seus olhos fiquem escuros e não enxerguem; e que seus rins estejam sempre doentes.


25 Derrama sobre eles tua ira, e o furor da tua cólera os persiga.


26 Que a morada deles fique deserta, não haja quem more em suas tendas.


27 Porque perseguiram aquele que tu feriste aumentando a dor dos que tu provaste.


28 À culpa deles junta mais culpa, e diante de ti não sejam declarados justos.


29 Sejam riscados do livro dos vivos e entre os justos não sejam inscritos.


30 Quanto a mim, pobre e doente, o teu auxílio, ó Deus, me proteja.


31 Quero louvar com um cântico o nome de Deus e exaltá-lo com ações de graças;


32 Que isto agrade ao Senhor mais que um touro, mais que um novilho com chifres e casco.


33 “Vede, humildes e alegrai-vos! Vós que buscais a Deus, vosso coração reviva!


34 Pois o Senhor atende os pobres, não despreza os seus cativos.


35 Que o louvem céu e terra, os mares e tudo quanto neles se move.


36 Pois Deus salvará Sião e reedificará as cidades de Judá; habitarão lá e a possuirão.


37 E a posteridade dos seus servos a herdará, e nela habitarão os que amam o seu nome”.

S A L M O S

SOBRE NÓS

Somos Católicos Agostinianos Leigos, integrantes do  Núcleo Nossa Senhora das Graças - Rio de Janeiro - RJ -  Paróquia Nossa Senhora das Graças - Vicariato Nossa Senhora  da Consolação do Brasil

LOCALIZAÇÃO

Rua Capitão Rubens, 55 - Marechal Hermes  - Rio de Janeiro - RJ – Brasil

CONECTE-SE
  • Grey Instagram Icon

Instagram

Acesse também pelo

seu dispositivo móvel

© 2017 por Fraternidade Agostiniana Leiga - Núcleo Nossa Senhora das Graças - ARS