S A L M O S

Deus é minha riqueza


49


(48)


1 [Ao maestro do coro. Salmo dos filhos de Coré.]


2 Ouvi isto, povos todos, prestai ouvidos, habitantes do mundo,


3 nobres e gente simples, ricos e pobres igualmente.


4 Minha boca fala a sabedoria, meu coração medita a inteligência;


5 darei ouvidos a um provérbio, na cítara explicarei o meu enigma.


6 Por que ter medo nos dias tristes, quando me rodeia a maldade dos maus?


7 Eles confiam na sua força e se orgulham da sua grande riqueza.


8 Ninguém pode resgatar a si mesmo, ou dar a Deus o seu preço.


9 Por mais que se pague o resgate de uma vida, jamais poderá bastar


10 para viver sem fim e não ver o túmulo.


11 Verá morrer os sábios; o louco e o insensato morrerão juntos, deixando a outros suas
riquezas.


12 O sepulcro será sua casa para sempre, sua morada por todas as gerações, no entanto deram
seu nome à terra.


13 Mas o homem na prosperidade não compreende, é como os animais que perecem.

14 Esta é a sorte de quem confia em si mesmo, o futuro de quem se compraz nas suas
palavras.


15 Como ovelhas, são levados ao lugar dos mortos, descerão empurrados ao sepulcro, todo
seu orgulho vai acabar, a mansão dos mortos será sua morada.


16 Mas Deus vai resgatar-me, vai livrar-me do poder do Abismo.


17 Não te preocupes se vires alguém enriquecer-se e se aumenta a glória da sua casa.


18 Quando morrer, nada leva consigo, nem desce com ele a sua glória.


19 Na sua vida se dizia felizardo: “Vão te louvar, teus negócios vão bem”.


20 Mas vai juntar-se à geração de seus pais que nunca mais verão a luz.


21 O homem na prosperidade não compreende, é como os animais que perecem.