O homem é um sopro


39


(38)


1 [Ao maestro do coro. Para Iditun. Salmo de Davi.]


2 Eu resolvi: “Vou controlar meus caminhos para não pecar com a língua; vou pôr um freio à
minha boca, enquanto o malvado estiver à minha frente”.


3 Conservei-me mudo, em silêncio; calei-me, mas sem resultado. Sua sorte exasperou minha
dor.


4 Ardia meu coração dentro de mim: enquanto suspirava, acendia-se um fogo.Então falei com
minha língua:


5 “Dá-me a conhecer, Senhor, o meu fim, qual seja a extensão de meus dias. Quero saber
como sou frágil.


6 Vê: em poucos palmos fixaste meus dias, e a duração da minha vida é um nada à tua frente.
Como um sopro é todo ser humano!


7 Como sombra que se desfaz é todo mortal! Agita-se por um nada, acumula riquezas e não
sabe quem as terá como herança”.


8 E agora, que posso esperar, Senhor? Em ti está minha esperança.


9 Livra-me de todas as minhas culpas; não faças de mim um ludíbrio para o insensato.


10 Calo-me, não abro a boca, pois és tu que o fizeste.


11 Afasta de mim teu castigo, pela força de tua mão estou no fim.


12 Castigando o erro corriges o homem, como a traça corróis tudo o que lhe é caro. Sim,
como um sopro é todo ser humano.


13 Escuta minha prece, Senhor, e presta ouvidos a meu grito; diante de minhas lágrimas não
fiques surdo. Pois sou diante de ti um peregrino, um forasteiro como todos os meus pais.


14 Afasta de mim teu olhar para que eu tenha alívio, antes que eu me vá e não exista mais.

S A L M O S