Perdoaste o meu pecado


32


(31)


1 [Poema de Davi.] Feliz aquele cuja culpa foi cancelada e cujo pecado foi perdoado.


2 Feliz o homem a quem o Senhor não atribui nenhum delito e em cujo espírito não há
falsidade.


3 Enquanto eu me calava, meus ossos se consumiam, eu gemia o dia inteiro.


4 Pois dia e noite sobre mim pesava a tua mão, como pelo calor do verão ia secando o meu
vigor.


5 Revelei-te o meu pecado, o meu erro não escondi. Eu disse: “Confessarei ao Senhor as
minhas culpas”, e tu perdoaste a malícia do meu pecado.


6 Por isso a ti suplica todo fiel no tempo da angústia. Quando irrompem grandes águas não o
poderão atingir.


7 Tu és meu refúgio, me preservas do perigo, me envolves no júbilo da salvação.


8 “Eu te farei sábio, eu te indicarei o caminho a seguir; com os olhos sobre ti, te darei
conselho


9 Não sejas como o cavalo ou o jumento sem inteligência; se avanças para dominá-los com
freio e rédea, de ti não se aproximam.”


10 Serão muitas as dores do ímpio, mas a graça envolve quem confia no Senhor.


11 Alegrai-vos no Senhor e exultai, ó justos, jubilai, vós todos, retos de coração.

S A L M O S